Deixo aqui um pouco de mim. Deixe-me um pouco de você!






Desde o início o homem nunca quis ser culpado de nada, enquanto ele pode achar outros para colocar o seu erro ele assim o faz. Deus perguntou para Adão por que ele comeu da fruta do pecado e Adão disse que não foi culpa dele mas da mulher que o induziu, e Deus perguntou para Eva por que ela havia feito isso e Eva colocou a culpa na serpente. Eva poderia ter escolhido não comer a maçã e muito menos ainda depois de pecar ter induzido Adão a fazer o mesmo. Adão também poderia ter escolhido não comer da maçã, mas a escolha foi dele, quem escolheu foi ele e ambos poderiam ter assumido suas culpas mas preferiram colocar a culpa no outro. Somos responsáveis por nossas escolhas ninguém mais é, quando algo nos é colocado temos o direito de escolha.
Recordo-me de um fato, no qual vivi uma situação difícil na adolescência, comecei a namorar um rapaz e já estávamos com um mês e tudo ia as mil maravilhas, quando me veio um amigo falar que o viu com outra menina. Pense em como fiquei totalmente desnorteada, não sabia o que fazer, em conversa com algumas outras pessoas elas me diziam para lutar e que ele escolhesse assim quem era a “melhor” , mas, a questão não era ser melhor ou pior, logicamente ela chegou depois de mim então quem tava sobrando na história era ela. O que fazer? O que pensar? Como agir? Ainda mais quando recordava as palavras dele , quando disse-me que ele era sincero e que se um dia surgisse o desinteresse por mim ou outro pessoa ele me diria a verdade.
Quando o chamei pra conversar, ele mentiu, disse que nem conhecia aquela garota, que não sabia do que eu estava falando. Se ele tivesse dito a verdade eu teria tirado meu chapéu e teria assim tido minha profunda admiração. Ele poderia ter assumido seu erro não poderia?? Mas preferiu enganar a si mesmo.
Eu não conhecia aquela menina, não sabia de nada de sua vida mas descobri que gostava muito dele, não que eu não gostasse, porque eu gostava, talvez meu sentimento não fosse menor que o dela, mas eu não poderia ferir aquela menina, mesmo não a conhecendo, mesmo ela tendo chegado depois... eu não tinha direito de culpá-la, porque ela de nada sabia, pois se soubesse, ai sim, ela teria alguma culpa, então eu decidi, já que eu tinha descoberto tudo, ficar mesmo só para mim aquela decepção. Então escolhi sair da vida dele.
Passado alguns dias , acredite, eu a conheci, não era minha vontade ter nenhum contato com ela, nos tornamos amigas, por vezes ela me falava daquele rapaz, que eu renunciei. Eu a escutava, não interferi, nem persuadi nenhuma de suas decisões, eu via o quanto ela gostava dele, mas deixe o tempo falar a ela ... Ganhei uma grande amiga, até hoje ela me cativa com sua personalidade forte, ela é parecidíssima comigo, temos muito em comum. Sei que escolhi a coisa certa quando tomei aquela decisão, eu não sei se ela teria a mesma atitude que eu, apesar dela se parecer comigo, o que sei é que existia as duas faces da moeda e naquele momento eu preferi perder. Em resposta eu ganhei uma das melhores amiga que tenho.
Sem pretensão de colocar culpas em alguém eu preferi fazer o que minha consciência me daria ao fim da noite. Eu lamentei a mentira daquele rapaz que feriu antes de tudo sua própria integridade. O mundo não age sozinho, existem sim os acasos, mas ele sempre vai depender de você, da sua escolha. Assumir nossas culpas, rever nossas atitudes, nos redimir é um passo difícil de dar, tem de se ter mais cuidado, principalmente quando existem mais pessoas e sentimentos envolvidos. Somos responsáveis pelo que fazemos, já chega de dizer que não temos culpa de nada, essa é a forma mais abstrata de tentar enganar a consciência que grita e pede mais e que sabe que poderíamos ter feito diferente. Assumir nossas culpas é próprio de quem quer melhorar, ignorá-las é querer colocar tarja preta.
(J.L.)

0 comentários: