Deixo aqui um pouco de mim. Deixe-me um pouco de você!





Já não sei o que pensar

Já não sei o que falar

Tão pouco sei como agir...

O que eu faço talvez já não faça sentido

Quem sabe tudo foi perdido

E eu aqui com o coração doido

Eu lembro do primeiro encanto

Do meu temor de estar amando

Era tão seguro...

Tão seguro que eu quis ficar

Previa eu está dor?

O amor não foi a meu favor

Eu quis resistir

E teria sido bem melhor

Porque agora se afasta de mim

Sem explicação, sem norte, sem sul

Que tempestade infinda

Te transformou assim?

Não sei o que dói mais

Distância, rejeição ou aquela atenção

Oh Deus! Se é este ar culposo

Desencontro de idéias

Essa mistura de sentimento que empobrece

Que enfraquece, que me torna impotente

Já não tenho forças

Perdida, confusa

Totalmente...

Quero parar e gritar

Sem rumo

Gritar...

Para onde foi o sentimento?

Já não lhe faço falta

E quando não se faz falta

Já não existe o que buscar

E a liberdade devo dar

Nunca foi meu

Verdade seja dita

Quem limita o amor

Não avança

Fica inerte no seu limite

Não posso nem reclamar

Não devo! Pensas?!

Devo contentar-me

Não era para ser e se for voltará

Mas não espera: viva !

Vida onde está???

Foi sonho bonito

Porém não quero lembrar

E nenhum mais quero sonhar

Espera-me solidão

Espera-me...

Porque o amor

Não tenho mais que esperar

Passou... passou...

E ficou...

Só em mim ficou!


(J.L.)

0 comentários: