Deixo aqui um pouco de mim. Deixe-me um pouco de você!





Eu ouço o que não falas
Eu percebo as entre linhas
Eu o sinto em mim
Mesmo sem olhar

Basta ouvir a voz
Que por horas mirraram
Sem saber o que dizer
Ou tentando compreender

Que existem coisas sem explicação
Que os sentimentos vêm como vulcão
Que o descontrole fala sem razão

Eu percebo assim
Como foges de mim
E se te vais
Ainda me leva em ti.

( J. L.)



Vá vento
E leva na tua liberdade
As pequenas, minúsculas poeiras

Varre a vida
Como quem espera visita
Como quem se apronta para algo festejar

Leva contigo o inato
O improvável, a dúvida
Das furtivas e lânguidas amarguras

E deixa aqui apenas
Cá comigo o impulso
O som, o uivo do que se foi.

( J.L.)


EU AINDA NÃO SEI SENHOR, o que queres de mim, por vezes eu ando perdida, sem saber o que fazer, outras, sem saber o que dizer nem o que querer.Eu olho e vejo este mundo tão carente de amor, eu vejo o meu coração sangrando de dor e minhas lágrimas muitas vezes caem sem pudor.

Eu penso que caminho e outras pareço sem destino. Eu estendo a mão e procuro levantar e em outras alguém vem ao chão me deixar e como em uma prisão procuro me livrar.

Eu aprendi a amar e também a odiar, mas nunca Senhor, talvez nunca soube me expressar. Eu amo no intimo do meu ser , entendo também, deste-me esta compreensão, mas odeio Senhor, o que talvez eu não percebi e quem sabe até o que me impedi de ver.

Eu vejo e não só vejo, como também vivo, gente que não sabe amar, gente que não sabe viver e gente que faz morrer as esperanças de quem acredita. Gente que não acredita em si mesmo, que zomba dos sentimentos dos outros, que brinca com os outros.

Ah, Senhor! Por isso as vezes me revolto. Tu sabes como sou, anseio por um mundo mais sincero, porque meu coração grita pela verdade. É tão fácil Senhor, ser quem de fato somos, do que representar o tempo inteiro e colocar mascaras em nossos rostos que escondem nosso verdadeiro sorriso. É tão mais fácil dar as mãos e seguir a longa estrada do que ir sozinho e ficar desconfiado com tudo e com todos porque em algum momento da vida  não soubemos superar e nem perdoar o erro de talvez uma única pessoa e acabamos julgando a parte pelo todo.

Ah, Senhor! Eu sempre me acheguei a Ti, tenho sim muito que agradecer, não é somente o que asola meu coração que quero hoje falar, deste-me muito e isso não posso negar, conheci sim bons e grandes amigos, gente que me ajudou a pensar, que me apontou o caminho e me ajudou a caminhar, gente que nem da família era, mas que amou-me sem restrições e ainda me amam sem esperar nada em troca. Isso é bom, é muito bom ter quem nos ame. Uns rejeitam nosso amor, outros estão dispostos a se doarem. 

É tão imparcial esta situação, porque se eu aqui Deus, fico confusa por tudo isso, imagino agora Teu Coração que tanto nos ama e nós, muitos de nós te rejeita, te afasta, não queremos ser amados pelo Amor e imagino, que tamanho deve ser Tua ferida de amor.

Meu Senhor, eu tenho tanto pra falar-te, não sei ainda o que queres de mim, nem porque estou aqui, às vezes acho-me tão diferente de tudo isso. 

Onde é meu lugar Senhor? Onde?
Quero logo chegar…

E enquanto eu não encontro, guia meus passos e pensamentos e me ensina a AMAR e COMPREENDER mais, para que eu não julgue ninguém, mas para que eu aprenda a verdadeira fraternidade e humanidade de cada pessoa.

Guia-me Senhor! Guia-me…

( J.L.)



Noites assim me fazem chorar
Quando lembro de teu abraço
De teus afagos sem fim
Da tua ternura tão minha

A chuva que cai me faz lembrar
Da pureza de tal amor
Inocente como criança
Contido pela adolescência

São esses sons que caem ao chão
Trazendo-me tantas lembranças
Dos olhares e beijos perdidos
Das mãos que um dia se encontraram

Nosso amor foi assim
De tão amor que foi ficou guardo ao peito
Servindo de infinitas recordações
Quando uma simples chuva ainda faz suspirar.

( J.L.)

 





O que cabe dentro de uma saudade?
Uma lembrança talvez
Um tempo nostálgico
Um amor intenso
Uma repudia do destino
Um medo sim
Uma história sem fim
Uma poesia enfim...

( J.L.)






A gente se apaixona por um olhar
Um sorriso meio sem graça
Uma voz que toca os ouvidos
Um jeito meio sem jeito de chegar

A gente se apaixona pelo perfume
Que só a gente sente exalar
Pelo toque da mão
Pelo abraço ainda tímido

A gente se apaixona pelas coisas mais simples
E depois queremos complicar
Exigir certas compreensões
Que adivinhem nossos pensamentos

Que bom seria se nos apaixonássemos todos os dias
Pelo mesmo olhar, da mesma forma, sem esperar mais
Pelo mesmo sorriso sem graça e fazer graça por isso
Pela mesma voz que toca os ouvidos e diz sem receio:Amo você!
Que bom seria...
 
( J.L.)