Deixo aqui um pouco de mim. Deixe-me um pouco de você!





Enquanto todos choravam pela perda

Eu precisava ser forte

Porque sempre acreditei

Que aqui é passagem

Éramos de Deus

E precisamos voltar pra Ele

Por isso muitos sentem vazios inexplicáveis

É saudade do céu

Eu compreendia isso

Acreditava nisso

E eu sabia que onde estavam

Agora era o melhor lugar

Eu ouvia os choros,

E as lamentações de porquês

Porque nunca estamos preparados

Para ver partir quem amamos

Os dias passam e o que não chorei no dia

Eu choro devagar

É saudade que aperta

E ai começo a rezar

E rezando eu lembro

Do quanto oravam por nós

Foram modelos minhas avós

Viviam a fé cristã ensinando suas gerações

A vida se vai mas a alma perpetua

Fica aqui as vossas atitudes bem lembradas

Com carinho, lágrimas e risos

Souberam ser o melhor e isso é o que eterniza.

(J.L.)




É tão bom e ao mesmo tão difícil recordar
Não tivemos tudo o que queríamos na vida
Nem seguimos nossos sonhos de criança

Mas eu lembro de muitas coisas boas
Das brincadeiras, das brigas de irmãos
Ahh, como é bom ter família

Eu conheço cada um
Sei das qualidades e dos defeitos
Dos erros e dos acertos

Meus irmãos se fossemos mais unidos
Poderíamos ter feito muito mais
Por nós, por nossos pais

Mas eu também sei a dor de cada um
E eu sofria junto, podem acreditar
Mas cada um tem sua vida, seu pensar

Eu sempre estive aqui,
Nunca fui a favor do que nos afastava
Mas apenas do que nos aproximava

Eu rezava todos os dias
Pela felicidade de cada um
Rezava aquela oração da criança
Oh como eu rezava

Ser caçula as vezes é bem difícil
Mas eu sei que nossos pais sempre nos amaram iguais
Eu não nasci para ser a preferida

As vezes eu acho que não sou daqui
E ainda não sei se cumpri minha missão
E o que deixo aqui é o registro

De que nesta minha vida
Não houve nada pelo qual eu lutasse tanto
Como ver a felicidade de vocês

Eu faria qualquer coisa
Mas eu sou tão fraca
Perdoem-me, por eu não ter resistido
E ter fugido

Nunca fui forte
E não deixei de amá-los e de acreditar
Que vocês podem mudar a história
De suas próprias vidas.

(J.L.)



Eu lembro da infância
Da admiração que sentia
Tão pequena eu, a fazer cafuné em sua cabeça

Dos natais mais simples
E dos aniversários com almoços especiais
Eu não pedia nada, me bastava a união

Tempos de criança que não temos muita noção de algumas coisas
Mas quando tomamos parte das histórias, das lutas
As coisas mudam

Jovem, eu lembro dos estudos
Da tua paciência...
E lembro da dor da tua ausência
Doeu demais

Deus sabe que eu perdoei,
E de todas as lágrimas que derramei
Sentindo a falta de ti
Mas longe era melhor pra mim

Eu me recordo com amor
As vezes ainda com dor
Algumas marcas são para sempre
Mas não destroem os verdadeiros sentimentos

As marcas ficaram
Eu as carrego
Deus me fez suportar
E nunca deixei de acreditar
Que a família tem seu lugar e seu papel neste mundo

Sempre acreditei na utopia
E sempre cantei a Oração da família
Pode não ser aqui, mas eu sei, em algum lugar
O Senhor vai nos unir.

(J.L.)


Mãe


És para mim a melhor pessoa

Com todas as suas virtudes

ENsinou-me a seguir vossos passos.


És a luz que clareia meu dia

És sinônimo de alegria

És também como a rosa

Pois tua beleza ninguém pode tirar

E teu perfume nunca deixa de exalar


Teu amor é como o mar

Que jamais pode secar

É como a estrela

Que jamais deixa de brilhar

No teu ventre concedeu-me

E vida me deu.


Hoje, se eu pudesse te dar o mundo

Para mostrar-lhe o quanto sou grata

Te daria!

Porém o mundo é tão grande

E não pertence só a mim


Mas te dou um mundo pequeno

Que tu mesmo ajudaste a construir

O meu coração

E com ele todo o amor

Que muitas vez não fui capaz de demonstrar

Não importa o que aconteça, nem onde eu esteja

Nunca deixei, nem deixarei de amá-la.


(J.L.)




Eu quero estar errada
Só para não desacreditar de que o homem pode mudar
Para não deixar morrer a esperança de que o amor transforma
De acreditar que o homem é bom porque assim Deus o fez.

Eu quero estar errada
Mesmo que meu coração endureça
E minha consciência perceba todos os fatos visiveis e intuídos
E meus olhos vejam o que não quero acreditar
E meus ouvidos ouçam o que não quero escutar

Eu quero estar errada
Quando mentiras forem proferidas
Com base num possível acerto de alguém que não sabe o quer
E com isso adentrar em outra vida sem receio do bem ou do mal que pode causar

Eu quero estar errada
E achar sim que pode dar certo
O que comigo não aconteceu
Mas não permita Deus que ninguém se fira como eu
O que não quero para mim não desejo a ninguém
Que minha dor se vá mas que não alcance outro alguém
Se for amor que seja feliz , amém.

Eu quero estar errada!

(J.L.)


E fase era

Como os melhores amigos sabiam e diziam

E não há outro destino

Que não seja o fim

Porque fase é bem assim

A melhor pode-se dizer

Pode enganar-se

Porque fase é fase

Nem pior, nem melhor

É apenas momento

Não existe fundamento

Nem visão futura

Porque fase é como loucura

É deixar ver o que acontece

E acaba tornando-se tortura

Tão logo eu deveria saber

Quando não se faz planos

É porque fase vai ser

Acreditar foi assinar sentença:

Eu, fase, fim.

(J.L.)




O que me impressiona é o pensamento calculado, medido, frio e sucinto de quem age em benefício próprio.
Aquela pessoa vestida com a mascara da "bondade" mas sem dominio do bem, porque nada mais quer além que tudo se renda ao seu bel-prazer envolvido por sua inconstância decidida, sua mentira verdade, seu sonho realidade, seu amor prazer, cegando quem está perto quando o mais cego é seu próprio ser.




Um dia foi consoante
Maiúsculo, constante
Provou do amargo amor
Fel era ele, enganador
Apostou as fichas
E os sonhos despedaçou
Caiu, quebrou

E disse-lhe assim
O sentimento mudou
Segue tua vida
E ferida deixou
Era a melhor
E o melhor arruinou
Sonho de menina
Tão logo se esvaziou

A tristeza assim se apoderou
E estranha ficou
Deixou partir sem pudor
Aquele amor que amou

Amor?
Mas que amor?!?


(J.L.)



Sou bem mais do que dizem
Com erros e acertos
Mas não sou o que tu pensas
Nenhum ser é limite de pensamento.

Sou a mudança perceptiva
mas não a inconstância refletida
Nem a intolerância persuasiva
Sei bem quando erro e não omito

Sou tráfego de idéias
E não de meias verdades
Sou inteligente para não enganar a mim mesma
Não planejo tocaia para minha consciência

Eu sou teimosa, admito
Mas não sou a controvérsia das palavras
Muito menos de atitudes
Nem a disparidade de sentimentos

Sou o limiar do amor sem limites
Sei bem o que eu quero e não pretendo me perder no caminho
Não me cego com belezas fúteis
Eu busco o infinito...

(J.L.)


Eu queria apenas ir
Ir pra algum lugar
Andar
Pegar a estrada
Ver as coisas passar

Eu queria apenas ir
E não mais voltar
Não importa o lugar
Só não queria parar

Eu queria apenas ir
E não ver o tempo passar
Não mais amar
Indo minha dor chorar

Eu queria apenas ir
Pra onde eu pudesse gritar
Me esvaziar
Até o limite do cansar

Eu queria apenas ir
Os sonhos deixar
Não vale a pena sonhar
Eu queria aqui não está

Eu queria apenas ir
Apenas ir...
Deus como eu queria!
(J.L.)
A flor e o espinho
Composição: Nelson Cavaquinho / Guilherme de Brito / Alcides Caminha

Tire o seu sorriso do caminho
Que eu quero passar com a minha dor

Hoje pra você eu sou espinho
Espinho não machuca a flor
Eu so errei quando juntei minh'alma a sua
O sol não pode viver perto da lua

Tire o seu sorriso do caminho
Que eu quero passar com a minha dor

Hoje pra você eu sou espinho
Espinho não machuca a flor
Eu so errei quando juntei minh'alma a sua
O sol não pode viver perto da lua

É no espelho que eu vejo a minha magoa
A minha dor e os meus olhos rasos d'agua
Eu na sua vida já fui uma flor

Hoje sou espinho em seu amor
Eu so errei quando juntei minh'alma a sua
O sol não pode viver perto da lua
Tire o seu sorriso do caminho

Que eu quero passar com a minha dor
Que eu quero passar com a minha dor



Perseguem, perseguem
Roubam a minha paz
Roubam minha alegria
Tirando sentidos da minha vida.

Perseguem-me sem escrupulos
O leão ruge atormentando
É o inimigo de tocaia
A espreita, a esperar a presa
Acostumado sabe o que faz
Como o faz.

Eu temerosa não consigo correr
Escuta Deus minha prece
A Ti eu posso recorrer
Vela por mim já cansada de sofrer
Já me tiraram muito
Mas a fé não quero perder

Tu é o Senhor que justiça faz a quem merecer
Olha para mim agora e vem combater
Combate o mal do coração humano
Deixa-lhe o bem, o discernimento
A saber, o que agrada a Ti.

Devolve-me a paz, minha paz
Quero dormir e não mais ouvir
Os grunidos da fera
Mas perdoa Senhor
Perdoa quem sabe e quem não sabe o que faz
Todos merecem uma chance
De fazerem o retorno quando tomam o incerto

Não quero o masacre do inimigo
Apenas a conversão
O arrependimento das atitudes maléficas
Fruto de pecado
Do uso das fraquezas de outrem para se achar poderoso
E plantar a dúvida de um amor tão bonito

Combate Senhor!
O maior mal está nos pensamentos do homem
Levado ao egoísmo
Que fere, que mata
Destrói os lares, os amores, as amizades
Levando discórdia, calúnia, dúvida
Levando ao relativismo, a moda, a tal expressão "ACONTECE"

Traça Senhor o teu sinal em minha testa
Marca teu povo
Protege seus pensamentos de tal mal
Assim, inimigo não mais será
Cria a fidelidade e o respeito em cada coração
Ergue teu povo, tua nação.

Orarei Senhor
Orarei
Ser Cristão é isso
Orar pelos que nos perseguem
Clamando a restauração.

(J.L.)


Nítido como um raio de sol
Simples como a brisa da manhã
Suave como a melodia dos pássaros
Assim é o meu amor por ti...

Lindo como as estrelas do céu
Puro como as águas cristalinas
Paciente como o sereno
Infinito como o mar
Assim é o meu amor por ti...

Incansável
Tímido
Incalculável
Destemido
Assim é o meu amor por ti...

Tanto!
Que aprendi a cantar
Fazer versos a rimar
Ninguém há de se igualar
Ao meu jeito de ti amar.


(J.L.)



Entre quatro paredes rosadas ela está
Ali fica, sem nada a esperar
Como chora menina!

É alí que pode ser quem é
Lamentar-se, irritar-se
Perguntar os seus porquês

Fica sim sem resposta
Triste, sozinha
Reprimida pelo destino

Sem ter o que esperar
Sem forças pra levantar
Perdida em si

O sol raiou
Levanta-se e sai dalí
Agora é hora de fingir

Tá tudo muito bem
Quem olha pensa
Quem sabe repensa

Transcorre o tempo
E a noite a faz voltar
Para o seu leito amigo

Cansada do forçado riso
Ela alí pode exaurir
Sua dor... sua dor...

(J.L)



Parece-me que cada dia entendo menos de gente, embora cada dia tenha tentado entender mais.

Tenho passado por um período difícil , tentando compreender quem não é mais.

Difícil é refletir

Fácil é achar certezas sem fundamentos.

Difícil é entender, acolher, respeitar

É fácil criticar, reprimir, julgar.

Difícil é ser humilde

Fácil é mostrar prepotência, arrogância

Difícil é conhecer a si mesmo

Fácil é pensar que conhecemos os outros quando nem mergulhamos dentro de nós mesmos.

É, tenho tentado compreender!

Mais é difícil refletir, são duras verdades e fácil é fingir.

Tenho aprendido!!

O que é fácil todo mundo faz, mas uma certeza eu tenho,

por mais que seja difícil quero aprender a

SER MELHOR!


(J.L)




A dor me faz prisioneira

A solidão me é companheira

A razão conselheira

Os olhos traiçoeiros

O sorriso faceiro

E o orgulho em primeiro

E o coração?

Este magoado

Retalhado

Muito sofrido

O amor a tempos esquecido

Mas não arrependo-me de ter vivido

Um amor não correspondido

Porque amei de verdade

E muitos não sabe o que é isso.

(JL)

Sabemos nós sua grandeza?

O que espera-se do tempo?

O que fazemos com o tempo no tempo?

Tempo é eternidade?


Tempo é o que não podemos medir

A tempos que tento entender o tempo

Mas ele me escraviza

Nos meus pensamentos,

Nos meus sonhos,

Nas minhas lutas...


Porque eu não o possuo

E talvez o tenha

Mas nada é garantido

O tempo não dá garantias

Ele é o futuro esperado e temido

Não se sabe se será bem vivido


O tempo é o professor da vida

Nos ensina

Dá as lições mais difíceis

Alguns as resolvem

Outros ainda batem cabeça


O tempo é a sutileza

Quem vive espera dele algo

Pode vir de graça

Mas para muitos é bem suado

Espera-se...


Ah tempo!

Tu não dependes de ninguém

E todos dependem de ti

Aqui ou ali

És fator determinante

Dependemos de ti.


(JL)


Viver é para quem sabe fazer da vida uma arte
Perdão Meu Deus
Se pintei os quadros errados
Se cantei no tom errado
Se amei da forma errada.

Junto de Ti, ó Pai
Poderei aprender a perfeição
Leva-me para junto de Ti
Porque já cansei de viver errando.

(J.L.)



NA RUA ESTOU


Na rua estou

O destino não sei

Entrei porque me convidaram

Eu tinha outro caminho

Mas senti segurança para segui-lo.


Na rua estou

Já a algum tempo

Quem me dirigia ficou

Em algum lugar do caminho que me convidou

Ou então se adiantou.


Na rua estou

Sem saber como trilhar

Porque aqui não era o meu lugar

E não sei como voltar

Nem que caminho tomar.


Na rua estou

Não olho atrás, não olho à frente

O meu caminho era outro lembro claramente

Mas conquistou-me o Amor tão brandamente

Decidido era tal

Tão, tão fortemente.


Na rua estou

Sem forças vou não vou

Chorando vou, parada estou

Num amor só meu, apenas meu

Porque este caminho demais doeu.


Na rua estou

O meu Amor não mudou

Não mudará, eu sei, ele vai me acompanhar

E quando ao fim eu chegar

E chegará brevemente, sem teto, sem lar

Na jazida vai estar:

Fiquei na rua a ti amar.

(J.L.)