Deixo aqui um pouco de mim. Deixe-me um pouco de você!





"Não é feio voltar atrás em decisões
Feio é sustentá-las no orgulho."

(J.L.)



Ah saudade
Que fica dentro deste peito
Que chora no leito
Que lembra todo feito

Ah saudade
De ti nem endereço
De mim me perco
De nós não esqueço

Ah saudade
Para muito além de mim
Para uma ausência sem fim
Para o amor tão longe assim

Ah saudade
Sem saber como expressar
Sem saber o que falar
Sem saber como parar

Ah saudade
Só tu aqui num alarde
Só o aperto, que crueldade
Só tu, minha saudade!


(J.L.)


Por nada nem por ninguém
Eu deixaria minha caminhada
Deixaria o meu ofício e meu dom
Deixaria o meu não a Ti, Jesus

Quando me chamaste
Eu disse sim
E é o sim que ei de exclamar sempre
É a vocação para minha missão

Não, não, não
Eu não deixarei de seguir
Não deixarei de persistir
Não deixarei de acreditar

Sim, sim, sim
Que Minha Mãe Maria ensine-me
A ser fiel a Ti, a ser Cristã
Faça-se em mim!

(J.L.)



Senhor,
afasta-me da indiferença e da insensibilidade
porque elas nos afastam do próximo.

(J.L.)



"Às vezes fico pensando
Se faço poesia ou
se a poesia me faz."

(J.L.)









Eu gosto de ser assim
Tão solta, tão eu
Sem apetrechos, ou etiquetas
Limitada ao “querer agradar”

Gosto de fazer o que quero fazer
Cantar, dançar, pular
E me sentir assim
Tão livre para ser eu mesma

Não me ater a pensamentos pequenos
De medidas e comportamentos
De contenções e adequações
Gosto do leve sem restrições

E gosto do riso tão fácil
Da gargalhada expressa
Do meu eu assim
Tão simples querendo ser feliz.


(J.L)


Eu fico aqui tentando explicar
O que é bonito, o que faz bonito
O que mexe comigo
Meu jeito de amar

Eu paro e escuto a canção
Fecho os olhos e sinto tocar
A melodia e harmonia
Meu jeito de amar

É simples, é belo
É terno e voraz
É desejo profundo
É colo, é mundo

E eu tentando explicar
A parte de ti
O todo de ti
O meu jeito de amar.


(J.L.)



Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança:
Todo o mundo é composto de mudança,
Tomando sempre novas qualidades.

Continuamente vemos novidades,
Diferentes em tudo da esperança:
Do mal ficam as mágoas na lembrança,
E do bem (se algum houve) as saudades.

O tempo cobre o chão de verde manto,
Que já coberto foi de neve fria,
E em mim converte em choro o doce canto.

E afora este mudar-se cada dia,
Outra mudança faz de mor espanto,
Que não se muda já como soía.


(Luís Vaz de Camões)




" Às vezes é preciso desconhecer-se
para se conhecer um pouco mais."

(J.L.)




"Você me deixou sem mim."

(J.L.)



Quando bate a chamada tristeza
Que hora chega sem avisar
E toma meu riso
E me faz chorar

Vem do nada
E chega em algum lugar
Naquele que eu não queria lembrar
E dói

Um tormento de lembranças
Que o tempo não destrói
Que o coração remói
Num sofrer só meu

Tristeza que me invade
Cheia de saudade
Tão covarde
Dói!


(J.L.)



Metade
Oswaldo Montenegro

Que a força do medo que tenho
Não me impeça de ver o que anseio
Que a morte de tudo em que acredito
Não me tape os ouvidos e a boca
Porque metade de mim é o que eu grito
A outra metade é silêncio

Que a música que ouço ao longe
Seja linda ainda que tristeza
Que a mulher que amo seja pra sempre amada
Mesmo que distante
Pois metade de mim é partida
A outra metade é saudade

Que as palavras que falo
Não sejam ouvidas como prece nem repetidas com fervor
Apenas respeitadas como a única coisa
Que resta a um homem inundado de sentimentos
Pois metade de mim é o que ouço
A outra metade é o que calo

Que a minha vontade de ir embora
Se transforme na calma e na paz que mereço
Que a tensão que me corrói por dentro
Seja um dia recompensada
Porque metade de mim é o que penso
A outra metade um vulcão

Que o medo da solidão se afaste
E o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável
Que o espelho reflita meu rosto num doce sorriso
Que me lembro ter dado na infância
Pois metade de mim é a lembrança do que fui
A outra metade não sei

Que não seja preciso mais do que uma simples alegria
Pra me fazer aquietar o espírito
E que o seu silêncio me fale cada vez mais
Pois metade de mim é abrigo
A outra metade é cansaço

Que a arte me aponte uma resposta
Mesmo que ela mesma não saiba
E que ninguém a tente complicar
Pois é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
Pois metade de mim é plateia
A outra metade é canção
Que a minha loucura seja perdoada
Pois metade de mim é amor
E a outra metade também



"Não é que eu esteja certa por pensar mais em mim
É que eu estava errada quando não pensava em mim."

(J.L.)




Queria não está tão perto

O longe perto é uma distância incalculável

Pensar no que é

No que foi

No que pode ser

E ter, por um instante

E depois ir

Ir para bem distante

E não se medir

A intensidade

A afinidade

A presença

O toque

O beijo...


(J.L.)




" Meus pensamentos soam
como tambores eloquentes
em tempos de guerra."

(J.L.)


São teus carinhos que me envolvem

São teus beijos que me devolvem

Acalentando todo meu ser

A magia de um simples viver

Vive eu , vive você

O que não conseguimos definir

É nossa intimidade

Nosso momento de ir

Para onde vão os que se querem

Para onde vão os que se permitem

Muito além dos olhares

No aconchego dos braços

Nos laços e passos

Escutamos os sons

Da música em nosso espaço

E vivemos os tons e cores do nosso abraço.


(J.L.)




"Poesia que me resgata
Poesia que me transforma
E faz da minha vida
A rima, o verso e a prosa."

(J.L.)