Deixo aqui um pouco de mim. Deixe-me um pouco de você!





Recriei minha fortaleza
Reconstruí minhas muralhas
Aquelas que haviam caído
Quando permiti que entrasse

E como em Tróia
Foi a emboscada que trouxeste
Pois o que pensava ser apaziguador
Era mentira que tudo destrói

Reconstruir tudo que veio abaixo foi árduo
Colocar cada tijolo e reencontrar alguma esperança
Sarar as feridas da luta silenciosa que quase matou-me
E velar as compreensões que dediquei

Sim, cá estou eu em volta de meus muros
Reconstruídos e com uma grande porta
Porta que tu jamais entrarás
Porque tu mesmo já baniu-te de mim.


(J.L.)






Eu tenho aquela vontade
De ficar só no meu canto
De não ver lá fora o mundo
De silenciar dentro de mim

De chorar sozinha
Ouvir meus próprios lamentos
Sentir minha dor
Deixar o amor morrer aqui dentro

Mas de tanto que tento
A tristeza aumenta
Nada morre
Só vive pra ser tormento

E tenho que encarar todos
Rir como quem é feliz
Para que ninguém veja
O coração sangrando infeliz.


(J.L.)





O dia dá lugar à noite
A noite dá lugar ao dia
Tudo numa gentileza harmoniosa.
Aprendamos a dar lugar, a cada um o espaço que precisa
Estendamos nossa compressão às horas que passam
E por onde passarmos
Gerando tal qual o sol e a lua a sutil gentileza

Harmonizando e equilibrando os dias. 

(J.L.)





Está assim contigo, ao teu lado me faz tão bem
És a parte que acalma minha vida
Porque quando estou contigo esqueço do ontem
E vivo o que tenho no momento

Teus braços são minha fortaleza
Teus carinhos me tornam manhosa
Sedenta de mais amor
E tuas palavras são melodias suaves

Eu queria está sempre assim
Recoberta pela tua atenção
Rindo das coisas mais banais
Tocando em teu rosto

Queria sempre olhar em teus olhos
E falar o quanto me tem pra ti
E que não penso em mais ninguém
Queria não apenas sonhar...



(J.L.)



"A poesia é parte inseparável de mim, definindo os sentimentos mais loucos, expressando as idéias mais banais, deixando minha vida nas rimas imperfeitas de um tempo incalculado no coração que se deleita nos versos."

(J.L)



"Arrependimentos vem, depois de vivermos a escolha a qual julgamos tão certa tornar-se o que de fato nunca foi e descobrirmos que enganamos a nós mesmos, porque tínhamos esperança de viver tão intensamente quando a felicidade se faz no mais simples e mais cauteloso ato de olhar e por precipitações deixou de ter sido vista."

(J.L.)






Mas e daí, se de repente, algo perdeu o brilho, se o dia escureceu, se o céu ficou cinza, se o coração doeu?!

A vida é isto meu amigo, nem tudo é colorido, aprende com o que se apresenta. Uma hora é choro, outra lamento, uma hora é riso, outra desprendimento, uma hora é perda, outra é ganho, uma hora ilusão, outra realidade, uma hora sonho, outra saudade... 
A vida é luta tentando o equilíbrio na linha da felicidade, é o desafio da marcha, do som que pulsa dentro de ti e faz :tum tum, tum tum...

(J.L.)