Deixo aqui um pouco de mim. Deixe-me um pouco de você!





Eu gosto de ver os anos não como os dias que passam mas como a vida que passa. Que passa e vai deixando em nós suas marcas, suas experiências. Que passa e vai fazendo de nós, melhores ou piores, porque quem de fato aprendeu irá melhorar e quem não soube apreciar o que a vida mostrou e mosta ainda baterá muito a cabeça.

Eu gosto de olhar a vida que passa mesmo quando chega o final do ano e as pessoas ficam sensíveis e esperançosas de que muitas coisas mudem, quando eu penso que cada dia poderia ser assim e não levarmos 364 dias para no ultimo, refletirmos sobre o que fizemos e fazer promessas vãs.

Eu até gosto de olhar para trás, todos os dias que se passam e ver que meu sono será restaurador, mesmo quando alguma dor inquieta meu coração e eu suplico a Deus que me dê alegrias ao amanhecer.

E gosto de aprender, com as coisas mais simples ou mais complexas que me acontecem, seja o apreciar do novo dia, quando vou ao trabalho e tudo está em movimento, pessoas indo e vindo fazendo a grande roda girar, ou quando estou com os amigos falando de Deus ou de coisas que nos aconteceram e de nossas expectativas, ou até, quando esses mesmo amigos nem lembram de mim e nem fazem conta de minha presença.

É assim... eu gosto de aprender... com a movimentação, com a presença, com a inconstância imprecisa de outros e até com a solidão...

E quando chega o final do ano eu não prometo nada, apenas desejo que tudo permaneça e que eu continue aprendendo, que eu não me perca diante das adversidades e que eu não me vanglorie diante de êxitos pessoais, porque tudo continua passando e vai passar e o que fica, ah, o que fica é aquilo que faz com que nosso coração continue sendo receptivo ou não. E o que eu quero é isso, estar de coração aberto ao novo, às mudanças, ao aprendizado de cada dia...todo dia.

Feliz 2013 !!

( J.L.)













Conheço-te mais que possas pensar
Conheço teus olhares
Teus desejos inibidos
Tuas vontades reprimidas

Conheço teus pensamentos mais ousados
E aqueles apagados
Pelo acaso do destino
Pelas circunstancias da vida

Conheço teu sorriso sem graça
Tua timidez inerte
Tua voz embargada
Tuas palavras soltas

Conhecia quando ficou perto
Conheço-te mesmo estando longe
Tão longe assim de mim.
Conheço-te!

( J.L.)