Deixo aqui um pouco de mim. Deixe-me um pouco de você!





Minha beleza é te impulsionar
Meu amor extremo é ser aberto
E não te sufocar
É deixar você navegar  como desejas
E seguir o rumo que procuras

Meu amar é assim
Te dar sustento ou tranquilidade em minhas águas
E até me revoltar
Quando esquece como se deve navegar
E receber a tempestade que vem

Eu te observo e te detenho
Mas não me pertences
Por horas, vive a tantas margens
E tem medo do meu  infinito desconhecido
De adentrar em meus mistérios

Se me vens eu te recebo
E também te deixo ir
Tenho minha liberdade de ser quem sou
Como tens a tua de seres quem és
E quando juntos, somos esperançosos de nós.


 ( J.L .)

0 comentários: